Histórico

Em 10/12/1921 foi criado o Instituto Estadual de Educação  denominado Grupo Escolar através do decreto  nº 2892.

Em 22 de julho de 1942, foi denominado de Grupo Escolar Margarida Pardelhas. Em 27 de março do ano seguinte, pelo decreto nº 743, passou a ser denominado de Grupo Escolar Visconde de Cairu.

Em 1º de abril de 1953, através do decreto nº 3.885, foi instalado o Curso Normal Regional, com formação de Professores Regentes de 1ª a 5ª série e a Escola passou a denominar-se Escola Normal Regional Visconde de Cairu. 

Pela portaria 07637 de 16 de maio de 1969, foi autorizadas a instalação do Normal Colegial, com formação de Professores do Ensino Primário, e a denominação para Escola Normal Visconde de Cairu.

Em 23 de janeiro de 1978, através do Decreto de Reorganização nº 28.645, a Escola recebeu nova denominação passando a chamar-se de Escola Estadual de 2º Grau Visconde de Cairu, tendo o seu curso de Primeiro Grau permanecido Curso de Aplicação para Formação de Magistério.

No ano de 1982, através do parecer 85/82 CEE, foi aprovado um curso de indicações 29/77- CEE- Formação Profissionalizante Básica, na área de Comunicação e Artes, com vigência até dezembro de 2001, passando para Ensino Médio a partir de janeiro de 2002.

Em 11 de março de 1993, através do decreto nº 34.672, a escola recebeu a denominação de Escola Estadual de 1º e 2º Graus Visconde de Cairu.

Em 14 de abril de 2000, através da portaria Ato/SE 00105, a Escola passa a denominar-se Instituto de Educação Estadual Visconde de Cairu.

Através do parecer 665/2000 a escola recebe autorização para o funcionamento de Classe de Educação Especial.

Em 2005, foi aprovado pela CEE o Plano de Estudos do Curso Normal de Aproveitamento de Estudos.

Em 2007, foi aprovado o Curso Técnico em Comunicação.

QUEM FOI VISCONDE DE CAIRU?

José da Silva Lisboa, político, publicista e jurisconsulto, brasileiro, nasceu em 16.07.1756 em Salvador, Bahia. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 20.08.1835. Com apenas oito anos de idade, iniciou seus estudos de filosofia, dedicando-se à música e piano. Diplomou-se em Portugal pela Universidade de Coimbra, onde concluiu os cursos de filosofia e medicina. Fez ainda na mesma Universidade os cursos de hebraico e grego. Regressando ao Brasil, foi designado para a Cátedra de Filosofia Moral, na Bahia onde criou a Cadeira de Língua Grega. Publicou em Portugal no ano de 1801, a sua obra “Princípio de Direito Mercantil”, primeira obra publicada em nossa língua, sobre economia política. Quando Dom João VI passou pela Bahia, Cairu apresentou as vantagens que sucederam da abertura dos portos brasileiros às nações amigas de Portugal, do que resultou a Carta Régia de 24.01 de 1808. Publicou no mesmo ano as duas primeiras partes das observações sobre o Comércio Franco; ocupava então o cargo de professor de Economia Política. Fundador do jornal “Conciliador do Reino Unido”, defendeu os direitos do Príncipe e ponderou as vantagens da monarquia continental. Foi Desembargador da Mesa do Paço e da Casa de Rogo, Deputado e Senador; sua maior preocupação era o progresso do Brasil. Cairu foi um homem de grandes conquistas pessoais, usando-as para conseguir os objetivos patrióticos. Sua influência pesou de modo decisivo na política, proporcionando um grande passo na evolução. Em 1832 lutou pela criação de uma Universidade no Rio de Janeiro. Tornou-se Barão em 1825, e Visconde em 1826, sendo feito Senador do Império, sendo notado por sua erudição e firmeza de caráter.